18 de set de 2009

Cabeça nas nuvens e pés no chão

Eu era uma pessoa que possuía sonhos como injeções de motivação, uma espécie de segurança e porto seguro, que por falta de coragem ou comodismo, não ousei sonhar mais. Acho que tinha medo do que viria após realiza-las quais sonhos viria em seguida, tinha medo da distancia que poderia ter de mim. E também porque possuía um repertorio de desculpas para usar na vida toda vez que algo me frustrasse, uma espécie de cano de escape infinito jogando todo o peso no futuro.“quando tiver um” ou “quando eu for um”.

Ai está um dos maiores problemas do mundo, as pessoas vivem uma parte delas apenas o presente e a outra parte apenas o futuro.
Problema de viver apenas o presente, é que o tempo parece passar devagar, no sentido que, por não possuir metas ou referencias, não percebemos quando crescemos e adquirimos responsabilidades, pelo menos isso aconteceu comigo.
Já os que vivem apenas o futuro perdem motivação fácil, assim como mudam de sonhos e ficam tão ocupados com suas metas que não vivem suas vidas, o que também já me aconteceu.

Chamo de eu-inseto os que vivem apenas o presente e eu-robó os que vivem apenas o futuro.

Inseto porque vivemos como se fossemos morrer amanha e vivemos o hoje de uma forma tão intensa que a vida se torna medíocre por não construir nada, uma vida de poucos feitos, mas boas lembranças.

O robô porque juramos que vamos viver eternamente, buscamos fazer algo notável para sermos imortalizado, mas passamos a ser conhecido por algo e não alguém. (nomes de ruas, nomes de hospitais... quero ser mais que isso.) e robô... é coisa do futuro.


Quero nem ser inseto nem ser robô
Quero ser bicho homem
Ser humano com louvor
Quero gloria de conquista
Ambição de evoluir.
Eu quero a cada passo para a meta
Sentir a felicidade da jornada
E também o prazer de chegar ao fim.
Quero nem ser inseto nem robô
Só busco seguir minha jornada
Com o prazer de um explorador.


Então seguirei meu silencio e me dedicarei, alguns acreditarão que estarei abandonando-os outros que me tornei menos divertido, mas só estou crescendo, paciência...
Não se esqueçam de mim, acumulem saudade, não se esqueçam de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget